Skip to content

Dinamarca em geral

A Dinamarca é formada pela península da Jutlândia e mais 406 ilhas. As regiões com maior densidade populacional são a ilha de Zelândia, onde está situada a capital Copenhague, Fiônia, e o norte da península da Jutlândia.

""

Geografia
A Dinamarca é delimitada a oeste pelo Mar do Norte, enquanto as ilhas de Zelandia, Fiónia e Lolland-Falster separam o Mar Báltico do Mar de Kattegat. As ilhas dinamarquesas se encontram em meio à rota marítima que liga o Mar Báltico aos principais oceanos do mundo. É ao mesmo tempo uma rota comercial para os países nórdicos chegarem à Europa Central. Ao longo da história do país, essa posição foi decisiva para o desenvolvimento do comércio e de estratégias políticas e militares.

O país possui uma costa de 7 300 km de extensão e 68 km de fronteira terrestre com a Alemanha. A geografia é plana, sendo que o ponto mais alto está a 173 metros do nível do mar. A população soma por volta de 5,37 milhões de habitantes, dos quais 85% vivem nas cidades. A capital e maior cidade é Copenhagen com cerca de 1 milhão de habitantes, seguida por Århus com 218.000 habitantes. O restante do país é composto por uma rede de cidades de tamanho médio.

Imigrantes estrangeiros e seus descendentes somam por volta de 395 000 indivíduos, dos quais 165.000 veem da Europa, existindo uma pequena maioria alemã no Sul da Jutlândia. A língua falada por todo o território é o dinamarquês, e a maioria da população é protestante. A Dinamarca é, portanto, nacionalmente e culturalmente homogênea.

Política
Por volta do final do século X, a Dinamarca foi unificada em um só reino, configurando-se em um país independente e, consequentemente, um dos mais antigos da Europa. Desde 1894, o país é uma monarquia constitucional com a realeza como Chefe de Estado e um sistema parlamentar de governo. O modo de produção é capitalista (economia liberal), portanto os negócios e a produção são privados. O Estado e outras autoridades públicas, entretanto, exercem um considerável controle no mercado e provém um serviço de inclusão para os cidadãos.

A Dinamarca é um país industrialmente desenvolvido. De acordo com os padrões internacionais, tem alto padrão de qualidade de vida e a diferença entre ricos e pobres é menor do que em muitos países com os quais a Dinamarca é tradicionalmente comparada.

A Dinamarca é um país membro da União Europeia desde 1973, embora não tenha aderido ao euro. Sua proximidade com a Alemanha influenciou econômica e politicamente a região sul do país, enquanto a região norte recebe uma influencia mais forte dos outros países nórdicos, tais como Suécia, Finlândia, Noruega e a Islândia - países que junto com a Dinamarca possuem um só passaporte.

Economia
A agricultura dinamarquesa é altamente desenvolvida, produzindo considerável excedente de produtos alimentícios manufaturados, exportados para outros países. A produção industrial é variada em relação ao tamanho do país. Entre os produtos industrializados que tornaram a Dinamarca famosa no exterior figuram a cerveja, os medicamentos, a mobília e os produtos da avançada indústria metalúrgica.

A agricultura e a indústria são altamente eficientes. A agricultura e a pesca empregam apenas 4% da população, e a indústria e a construção 23% da população. Os restantes 73% estão empregados no setor de serviços, em serviços públicos e no setor privado, incluindo atividades financeiras e o tradicional comércio de navios.

A Dinamarca possui uma economia aberta, sendo o comércio com o mundo de uma extrema importância. Importações e exportações de bens e serviços representam respectivamente 33% e 36% do PIB do país (2000).

Cerca de 2/3 do comercio exterior é destinado a países da União Europeia, o restante é dividido com um vasto número de parceiros comerciais, dentre eles, a Noruega e os Estados Unidos são os mais importantes.